Páginas

domingo, 15 de fevereiro de 2009

A TERRA FIRME DO PASSADO DISTANTE

Estava falando outro dia - com amigos das antigas e pessoas que teimam em compartilhar recordações - da danada da Feira dos Municípios. Hoje saí atrás de maiores informações no Google e não encontrei absolutamente nada, nem uma foto, uma reportagenzinha de época, nenhum saudosista a fim de contar suas prosopopéias do glorioso passado que a mim não condena. Não sei vocês, mas eu tenho o costume de dar um polimento em muitas das minhas lembranças, algumas nem são tão especiais assim... Eu sei lá por que.

O frisson da Feira dos Municípios entre a garotada é que na parada tinha parque de diversões, uma coisa sazonal na cidade de Vitória que até hoje ainda não tem um fixo como o Hopi Hari, O Tivoli, ou o Play Center. Nunca gostei de jogar, mas quando me perguntavam o que faria se ganhasse na loteria costumava dizer – para surpresa da galera - que investiria em um grande parque de diversões para nossa cidade, apesar de saber que essas coisas por aqui não costumam dar muito certo. Mas faria, nem que fosse pra perder dinheiro vendo as crianças de minha cidade se divertindo...

Pois não encontrei nenhuma informação sobre a Feira dos Municípios na Internet. Cara, até o meu livrinho da orquestra – de tiragem pequena e nenhuma divulgação - eu já achei vendendo em sebo online, como é que ninguém parou pra lembrar da Feira dos Municípios? Será que é porque ela representa um passado rastaquera que todo mundo botocudo preferiu esquecer? Aliás, já imaginou o nosso governador - tão cioso de sua mudernidade cosmopolita - inaugurando a Feira dos Municípios do século XXI?

As mais remotas lembranças que tenho da Feira dos Municípios vêm dos anos setenta quando ela ficava instalada no estacionamento do Clube Álvares Cabral, eu pensava que lá tinha sido o primeiro lugar, mas já ouvi dizer de edições anteriores. Lembro daquelas barraquinhas toscas de madeira com suas comidas típicas em exposição – mamãe sempre me fazia comprar pra ela uma tal de “carne de sol” – a barraca da Serra era a mais animada, um verdadeiro furdúncio acontecia por lá, de longe se via as pessoas doidonas, suas cantorias e a poeira subindo.

Nessa edição da Feira no Álvares o Exército instalou uma torre pra simular o salto de pára-quedas. Fiquei doido quando vi aquela geringonça de metal e as pessoas se balançando nas alturas escorregando penduradas em um cabo até bater no chão sem se machucar. Eu e meu amigo Toninho subimos as escadas às carreiras e, mais ou menos como acontecia com o tobogã, quando fomos chegando ao alto o medo bateu e com ele o desejo de voltar pra segurança da terra firme. Mas éramos valentes e, pra ajudar, não éramos os primeiros. Acreditem ou não tinha até fila pra se jogar da altura aproximada de um prédio de uns quatro ou cinco andares.

Os “instrutores” daquela tarde eram os “recos”, soldados rasos que serviam o Exército por obrigação e, provavelmente estavam deliciados por apavorar pirralhos, se divertiam em atirar os mais medrosos para a liberdade do espaço infinito. Curiosos soldados que auto-afirmam sua valentia a partir da capacidade de incutir medo, assim também são os piores policiais e os bandidos. Depois se aborrecem quando a população demonstra mais desconfiança do que respeito ao se deparar com suas belicosas figuras.

A plataforma de lançamento era ampla, se bem me recordo dava pra lançar quatro pessoas de cada vez, era preciso vestir uma amarração de segurança, realmente semelhante à do pára-quedas do Exército, ligada ao cabo principal que descia até o chão. Meu colega medrou. O soldado terminou de me atar ao equipamento e foi ajudar seu companheiro a jogar meu amigo lá de cima. Pude então olhar pra baixo e minhas pernas tremeram. Hesitei. Toninho desceu gritando que nem um doido, os soldados se voltaram para mim lendo o terror em meus olhos, entreolharam-se divertidos.

Olhei para eles, olhei para o chão e me atirei amalucadamente. Um coturno que me pareceu enorme passou no vazio, bem às minhas costas que, junto com meu corpo, já acelerava em direção ao solo. Quando vi estava do outro lado da feira, um soldado rapidamente me desprendeu do equipamento, minhas pernas tremiam de emoção. Eu tinha sobrevivido à aventura! Na saída ainda ganhei um diploma que exibia orgulhosamente à todos e do qual não faço a menor idéia do paradeiro.

Os anos passavam e as Feiras aconteciam, curiosamente sempre atraindo muitas chuvas. Para nossa tristeza o mesmo problema se dava com os deliciosos piqueniques de fim de ano do Colégio Sacre-cour. Mudavam a data da Feira de novembro pra agosto e outros meses, mas não tinha jeito. Sempre caía uma tromba d’água, especialmente na noite de abertura, a ponto de virar tradição e dar gênese a piadas do tipo: hoje não tem Feira dos Municípios, mas chove na cidade.

Lembro da Feira dos Municípios acontecendo também no Campo do Caxias na Avenida Maruípe, uma vez levei meu primo Felipe lá pra conhecer o parque de diversões e depois do Rotor o menino botou os bofes pra fora. Mas uma das maiores atrações da Feira era mesmo o Tobogã, isso, obviamente, quando não tinha Montanha Russa. Era divertidíssimo tanto descer escorregando a mil por hora quanto ficar lá em baixo vendo os outros se espatifarem num festival infinito de trombadas, rasteiras e tabacos espetaculares. Tinha também os carrinhos de bate-bate e a inesquecível, porque impagável, Conga a Mulher Gorila.

Muita gente ia à Feira dos Municípios por causa dos shows, que se não me engano, começaram a rolar em suas edições mais modernas. Após

me passarem as espinhas, deixei de freqüentar o mais querido evento botocudo, só ia lá tocar com o Pó de Anjo, em meados dos anos oitenta, quando a parada acontecia em uma área próxima ao bairro Jardim Camburi. Depois mudaram a feira para o parque de exposições de Carapina, como se antecipassem o Vital, sim, porque o evento era também um transtorno para os moradores do bairro vizinho... Pelo menos era 100% capixaba.

Hoje a Feira acabou. Não sei dizer quando e qual governo decretou seu fim, mas sou capaz de dizer que durou por duas décadas ou mais. Não me peça pra dizer se ela deveria voltar, porque sei que – por exemplo- a Praia do Canto nunca mais voltará a ser a mesma. Ficam as lembranças singelas, Alice está me dizendo que foi numa Feira dos Municípios que ela comeu “maçã do amor” pela primeira vez. E foi lá que eu aprendi a voar, agora ela me rebocou de novo pra longe, lá pra terra firme do passado distante. Espero que também desperte em vocês memórias felizes e que juntos possamos compartilhá-las, como irmãozinhos capixabas que somos...

3 comentários:

Flávio disse...

Grande Juca,

Sua crônica fez um resgate à memória de um tempo mágico (sem o balão azul)... kkkkkkkkkkk.. realmente, a Feira dos Municípios era um evento aguardado e sempre com um comparecimento em massa da população capixaba ávida pelas novidades que a Feira trazia ano a ano. Outras barracas disputadas eram a de Santa Teresa, com seu vinho de jaboticaba e a da Itália, com suas massas e músicas típicas.
Mas só pra dar uma informação... em 1999, o Governo José Inácio decidiu dar um tiro na testa do evento e o realizou duas edições, alterando inclusive seu nome para Feira da Solidariedade, que aconteceram na Praça do Papa e foram um verdadeiro desastre, existindo até hoje débitos da FAS (presidida pela então primeira-dama Maria Helena Ferreira - que dispensa comentários) para com fornecedores de montagens de estruturas, consultores, fornecedores e bandas que se apresentaram na época. Tragédia, mizifio... tragédia... até o vento levou os restaurantes e barracas da feira... menos o ouro dos reis do ES.

Um forte abraço e tô colecionando seus e-mails... se perder algum me fale... kkkkkkkkk

Flávio Salles

Vera Teixeira disse...

Grande lembrança!
Começei a curtir a Feira só quando já era em Camburi, mãe não me deixava ir, era muito "pirralha" pra essas coisas.
Se me lembro bem, ainda fui a umas quatro ou cinco, e era bom demais.
Fico triste em saber que acabou, fazia parte da nossa tradição, mas enfim ...
O que se passa nessa terra?
Onde foi parar a vontade de conviver e cultivar tradições?
Espero que alguém lá de cima se lembre de promover eventos como a Feira do Municipios, uma forma de mostrar e valorizar as delícias desse estado com tantas maravilhas...
Parabéns Juca e obrigada por trazer de volta essas boas lembranças!

Anônimo disse...

Meu amigo Juca, que boas lembranças você me trouxe com esse texto belíssimo.
A feira dos municípios era realmente um grande acontecimento para a nossa e várias outras gerações!
Grande abraço

Fábio Calazans