Páginas

quarta-feira, 22 de julho de 2009

INCLUA-ME FORA DA MÚSICA DE CONCERTO!

Tem coisas que só acontecem com meu amigo Fabiano Mayer e que parecem brincadeira. Fabiano, para quem ainda não sabe, é um violonista de concerto muito talentoso, tem disco gravado, livro editado e vários vídeos postados no youtube demonstrando sua arte. Professor efetivo da Faculdade de Música do Espírito Santo; montou também uma escola no limite de Santa Lúcia com a Praia do canto para, entre outras coisas, receber os alunos mais específicos da música dita popular. Para promover as aulas fez uns panfletinhos (flyers?) de divulgação, não demorou e bateu um fiscal no estabelecimento. Olhando sério para a recepcionista disparou:


- Tenho duas coisas para dizer aqui, primeiro: esta frase “não jogue este panfleto em via pública” foi impressa numa fonte menor do que é o estabelecido por Lei, portanto estou multando esta escola em trezentos e tantos reais. – Destacou o recibo da multa, enfiou na mão da menina e continuou. – Segundo: sempre quis aprender a tocar violão e estou aqui também para me matricular. - É o que eu chamaria de fiscal musical, da próxima vez já pode multar em prosa e verso, cantando e tudo o mais.


Daí que um dos alunos ou admiradores de Fabiano resolveu colocar dois vídeos dele no youtube tecendo alguns elogios até exagerados; num destes, o violonista apresentava uma versão instrumental bastante complexa de uma canção da igreja católica muito cantada na Festa da Penha. Sabe-se-lá como, alguém disse que a música era de um antigo cantor capixaba chamado Carlos Bona e assim foi creditado no youtube. A surpresa veio quando um cara - e parece muuuuito ter sido o próprio Bona dando uma de fake - achou ruim a menção, dando a entender que Fabiano estava usando o nome do cantor para se auto-promover(!) Hein?!!! Alguém de vocês por aí lembra quem é Carlos Bona? Bom, eu sim e a memória - especialmente a musical - não é das mais relevantes; desculpem a franqueza dessa afirmação que - admito - beira a grosseria.


No início dos anos oitenta, de carona com o boom da última grande fase da Música Popular Brasileira, antes do Brasil mergulhar na deliciosa onda BRock, havia aqui um grupo de cantores e compositores que se tornaram re-conhecidos: João Pimenta, Guto Neves, A Banda Woops, Lula D’Vitória e Carlos Bona, entre outros. Todos desenvolveram um trabalho autoral interessante, porém, com as intrigantes limitações capixabas nunca replicaram o sucesso local no resto do país. Com o passar do tempo foram aparecendo cada vez mais raramente na mídia, de vez enquanto encontro com Guto e Lula por aí, fazendo compras no horti-fruti ou em alguma Secretaria de Cultura, mas de Carlos Bona eu nunca mais tinha sequer ouvido falar.


Daí me pegou de surpresa aquele comentário mal humorado no vídeo do Fabiano e pensei: quem esse cara pensa que é? O Roberto Carlos? Indignado saí em defesa do amigo com uma resposta casca grossa, tachei o cara de brega e o caralho. Depois me arrependi, vi que tinha exagerado e atualizei a coisa para o eufemismo “ultra-romântico” que me parece ser mais acertado. Justo? O público que julgue, se alguém conseguir resgatá-lo da memória; não que a culpa seja dele, é que o nosso estado nunca a teve, pelo menos até hoje. Achei apenas curiosa a preocupação do sujeito em querer evitar a divulgação do nome de “seu ídolo” na companhia da nossa Filarmônica, de Maurício de Oliveira e do próprio Fabiano Mayer. Será que se fosse o Calcinha Preta ele teria achado bom? Como diria o pessoal do Muquecada: desconfiamos.


Veja o video, leia os comentários e ajude a aumentar essa confusão... Vem aí a parte III do conto PERSEGUIÇÃO!




more about "MÚSICA DE CONCERTO NÃO!", posted with vodpod

6 comentários:

Anônimo disse...

Juca

Perfeito
"Todos desenvolveram um trabalho autoral interessante, porém, com as intrigantes limitações capixabas nunca replicaram o sucesso local no resto do país."

Para a história:
Fiz capa de um COMPACTO de João Pimenta,cara gente boa.
Uma capa involuntariamente inovadora, já que a gráfica deixou aberta
a parte DEBAIXO - e não a da direita - da capa.
Ficou assim mesmo, tipo "pô, diferente, né?"

:>)

Abs

Dino Gracio
www.blogracio.com

Sirleni Juffo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Darlan Juffo disse...

Pô Juca...não é que lembrei do cara...não é akele do "lero lero lero lero lero lero lá"...ou coisa parecida?...huahauhauha.

Juca Magalhães disse...

Pior que é, uhauhauhauhauha!

SILVANA PEDRINI disse...

Oi Juca, quero que conheça meu outro espaço o blog "Palavras ao Vento"

Sou capixaba, nasci e moro em Aracruz, publiquei um livro de poesias aos 14 anos e hoje escrevo no blog!

Abraços

Anônimo disse...

Oi Juca,

Eu lembro de Carlos Bona, mas confesso que só lembrei porque vc falou o nome, porque já tinha esquecido dele mesmo.rsrs. Como vc mesmo disse, o Lula, Papel( é meu vizinho) e o João Pimenta eu sempre encontro por aí, mas o Carlos Bona sumiu mesmo.rsrs

A propósito, estou ansiosa pelo fim da saga de Soraia, manda logo..rsrs

Bjs, Miriam